16 de Janeiro de 2014

Na visita de O Som da Gente à freguesia de Alpendorada e Matos, o Sr. José Manuel Vieira Antunes foi o nosso guia.

Para além de ter sido um dos fundadores do Rancho Folclórico São João Baptista de Alpendorada e de também estar ligado a outras colectividades da terra, foi aqui, durante um quarto de século,  Presidente da Junta.

Durante o seu tempo de autarca teve a felicidade de ver progredir Alpendorada com a construção das mais variadas infra-estruturas e equipamentos. A Escola Eb2/3 foi uma delas. Ao tempo, foi uma decisão do então Primeiro Ministro Francisco Sá Carneiro que lhe comunicou telefonicamente a aprovação, pouco tempo antes de falecer no fatídico acidente de aviação.

 

Alpendorada, que é vila desde 1991, fica além Douro, em frente a terras de Cinfães, na fronteira da Beira Litoral, com o Douro Litoral e a Beira Alta e na confluência de três rios: o Douro, o Tâmega e o Paiva.

Esta é a terra

Esta é arte

Esta é a pedra

Que faz de nós parte

 

Para comemorar a passagem do milénio, a Junta de Freguesia de Alpendorada e Matos mandou erguer este monumento ao pedreiro.

A arte da pedra marca a história e é a principal actividade económica desta terra.

Daqui saiu muita pedra para calcetar as ruas de muitas vilas e cidades. Para o Porto era transportada de barco, via rio Douro, e à cabeça das pedreiras até ao rio.

Da mesma pedra se fizeram muitos palácios da cidade invicta e ainda muitos edifícios públicos na região como é o caso das antigas escolas primárias.

Das mãos dos pedreiros devastadores ou dos canteiros de Alpendorada saiu obras de arte que há-de perdurar por muitos séculos como é o caso da Ponte Duarte Pacheco em Entre-os-Rios.

A poucos metros, a norte, deste monumento ao pedreiro, encontramos um outro, muito mais antigo. Um arco em granito a que chamam Memorial. Diz a história e a lenda que este monumento marca a passagem do cortejo fúnebre da Rainha Santa Mafalda por este sítio quando se dirigia de Rio Tinto para Arouca.

Mas a história de Alpendorada não se resume à arte da pedra e ao Memorial da Rainha Santa Mafalda.

Aqui foi escrito o primeiro documento notarial, redigido em latim bárbaro, forma que viria a dar origem ao Português. Este documento tem a data de seiscentos e noventa.

Mas, a nível dos monumentos, o Mosteiro de Alpendorada é considerado não só o principal da terra mas o de toda esta região.

Entre a história e a lenda, sabemos que a primeira edificação teria sido da iniciativa do clérigo Velino,  nos meados do séc. XI, portanto ainda antes da fundação da nossa nacionalidade.

O Mosteiro de Alpendorada, até 1834, tornou-se numa das principais casas beneditinas a nível nacional.

Ligadas à memória desta casa estão as imensas rendas que o mosteiro recebia das inúmeras propriedades que possuía na região. Estes bens serviam para pagar os salários dos trabalhadores da quinta e ainda para socorrer os pobres que se abeiravam do abundante celeiro da casa.

A própria quinta tinha enormes pomares onde destacava a produção de laranja. O vinho verde e o azeite eram outros produtos. A azenha de quatro mós e o alambique, que ainda hoje se encontram no edifício, atestam a produção destes bens.

Depois de ter passado por diversas vicissitudes, principalmente depois de 25 de Abril de 1974, o Mosteiro de Alpendorada está hoje transformado numa unidade hoteleira que aproveita não só o edifício principal mas também outros distribuídos pela quinta.

Assim e de outros modos, se continua a escrever a história que contou, ao longo dos séculos, com a intervenção de nobres preponderantes na vida nacional, alguns deles também ligados às muitas lendas que povoam o imaginário popular ligado a este lugar. 

Resta acrescentar que o Mosteiro de Alpendorada  tinha uma das mais importantes bibliotecas do Reino que enriqueceu os arquivos distritais de Braga, Porto e ainda o Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

 

 

 

 

publicado por somdagente às 20:12

CorretorEmoji

Se preenchido, o e-mail é usado apenas para notificação de respostas.

Este blog tem comentários moderados.

Este blog optou por gravar os IPs de quem comenta os seus posts.

Janeiro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

subscrever feeds
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Acabo de ouvir e visualizar a 2ª parte da vossa re...
Acredito e aceito. Isto foi o que se conseguiu ap...
Esse sr.Antonio Silva meu vizinho e compradre e am...
Apraz-me dizer, que Deus lhes dê força para conti...
Fico com água na boca.Quero VER!Abraço
Amigo e Senhor Fernando Luís,Parabéns pelo excelen...
Olá boa noiteO meu nome é Dina Cruz e sou técnica ...
Quando escreveram (e cito): "Em 1959, aqui nasceu ...
Intereessante!... Um espaço a ter em conta!
Conheci o Prof. Zé Fernando há 30 anos. Já nessa é...
blogs SAPO