Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

O SOM DA GENTE

O SOM DA GENTE

16
Jan14

EM TERRAS ONDE A PEDRA CANTA

somdagente

Na visita de O Som da Gente à freguesia de Alpendorada e Matos, o Sr. José Manuel Vieira Antunes foi o nosso guia.

Para além de ter sido um dos fundadores do Rancho Folclórico São João Baptista de Alpendorada e de também estar ligado a outras colectividades da terra, foi aqui, durante um quarto de século,  Presidente da Junta.

Durante o seu tempo de autarca teve a felicidade de ver progredir Alpendorada com a construção das mais variadas infra-estruturas e equipamentos. A Escola Eb2/3 foi uma delas. Ao tempo, foi uma decisão do então Primeiro Ministro Francisco Sá Carneiro que lhe comunicou telefonicamente a aprovação, pouco tempo antes de falecer no fatídico acidente de aviação.

 

Alpendorada, que é vila desde 1991, fica além Douro, em frente a terras de Cinfães, na fronteira da Beira Litoral, com o Douro Litoral e a Beira Alta e na confluência de três rios: o Douro, o Tâmega e o Paiva.

Esta é a terra

Esta é arte

Esta é a pedra

Que faz de nós parte

 

Para comemorar a passagem do milénio, a Junta de Freguesia de Alpendorada e Matos mandou erguer este monumento ao pedreiro.

A arte da pedra marca a história e é a principal actividade económica desta terra.

Daqui saiu muita pedra para calcetar as ruas de muitas vilas e cidades. Para o Porto era transportada de barco, via rio Douro, e à cabeça das pedreiras até ao rio.

Da mesma pedra se fizeram muitos palácios da cidade invicta e ainda muitos edifícios públicos na região como é o caso das antigas escolas primárias.

Das mãos dos pedreiros devastadores ou dos canteiros de Alpendorada saiu obras de arte que há-de perdurar por muitos séculos como é o caso da Ponte Duarte Pacheco em Entre-os-Rios.

A poucos metros, a norte, deste monumento ao pedreiro, encontramos um outro, muito mais antigo. Um arco em granito a que chamam Memorial. Diz a história e a lenda que este monumento marca a passagem do cortejo fúnebre da Rainha Santa Mafalda por este sítio quando se dirigia de Rio Tinto para Arouca.

Mas a história de Alpendorada não se resume à arte da pedra e ao Memorial da Rainha Santa Mafalda.

Aqui foi escrito o primeiro documento notarial, redigido em latim bárbaro, forma que viria a dar origem ao Português. Este documento tem a data de seiscentos e noventa.

Mas, a nível dos monumentos, o Mosteiro de Alpendorada é considerado não só o principal da terra mas o de toda esta região.

Entre a história e a lenda, sabemos que a primeira edificação teria sido da iniciativa do clérigo Velino,  nos meados do séc. XI, portanto ainda antes da fundação da nossa nacionalidade.

O Mosteiro de Alpendorada, até 1834, tornou-se numa das principais casas beneditinas a nível nacional.

Ligadas à memória desta casa estão as imensas rendas que o mosteiro recebia das inúmeras propriedades que possuía na região. Estes bens serviam para pagar os salários dos trabalhadores da quinta e ainda para socorrer os pobres que se abeiravam do abundante celeiro da casa.

A própria quinta tinha enormes pomares onde destacava a produção de laranja. O vinho verde e o azeite eram outros produtos. A azenha de quatro mós e o alambique, que ainda hoje se encontram no edifício, atestam a produção destes bens.

Depois de ter passado por diversas vicissitudes, principalmente depois de 25 de Abril de 1974, o Mosteiro de Alpendorada está hoje transformado numa unidade hoteleira que aproveita não só o edifício principal mas também outros distribuídos pela quinta.

Assim e de outros modos, se continua a escrever a história que contou, ao longo dos séculos, com a intervenção de nobres preponderantes na vida nacional, alguns deles também ligados às muitas lendas que povoam o imaginário popular ligado a este lugar. 

Resta acrescentar que o Mosteiro de Alpendorada  tinha uma das mais importantes bibliotecas do Reino que enriqueceu os arquivos distritais de Braga, Porto e ainda o Arquivo Nacional da Torre do Tombo.

 

 

 

 

Mais sobre mim

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Arquivo

  1. 2016
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2015
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2014
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2013
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2012
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2011
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2010
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
  92. 2009
  93. J
  94. F
  95. M
  96. A
  97. M
  98. J
  99. J
  100. A
  101. S
  102. O
  103. N
  104. D
  105. 2008
  106. J
  107. F
  108. M
  109. A
  110. M
  111. J
  112. J
  113. A
  114. S
  115. O
  116. N
  117. D
  118. 2007
  119. J
  120. F
  121. M
  122. A
  123. M
  124. J
  125. J
  126. A
  127. S
  128. O
  129. N
  130. D