04 de Março de 2016

alberto.jpg

Neste início de Março, naturalmente invernoso, com uma chuva fria, O Som da Gente foi até Carvalhais para continuar a registar e a realçar quem muito faz pela nossa cultura popular.

Continuamos a encontrar no seio do nosso povo anónimo gente com muito talento.

Neste caso, com grande aptidão para a profissão e para a música.

 

De seu nome Alberto Soares de Pinho, é aqui conhecido por Alberto Casanova.

Herdou a alcunha da família nomeadamente do avô que chegou a estar emigrado no Brasil.

Este familiar já era mestre na arte da carpintaria.

O neto também veio a demonstrar queda para  trabalhar a madeira. Como carpinteiro, foi andando com o pai mas este não dava o devido valor ao perfeccionismo do filho. Contou-nos que, por sua iniciativa, construiu uma canga para as vacas. Tão perfeita ficou a obra, que o cliente não regateou o preço. 

ferramentas.jpg

 

O trabalho dos antigos carpinteiros ia da construção de casas, aos móveis rudimentares e às alfaias agrícolas.

Utilizavam ferramentas artesanais algumas feitas pelos próprios artistas, como o amigo Alberto nos mostrou. Utilizar estas ferramentas com perfeição e mestria era o que distinguia os bons carpinteiros e marceneiros.

Mais tarde, Alberto Casanova fazia os próprios ferros para as máquinas eléctricas, tendo em vista trabalhos específicos.

Foi o que se passou com as almofadas das portas actuais da igreja paroquial de Carvalhais, molde que vimos do lado direito da imagem.

Tal era a perfeição que o povo acreditou que a obra era dos artistas de Braga, especialistas em arte sacra.

Os milagres dos santos da terra continuam a não fazer fé.

bandolim.jpg

 

Como já escrevemos acima, Alberto Casanova não tem jeito apenas para a sua profissão de marceneiro, o seu ganha pão.

Como a vida não deve ser só trabalho, nas horas vagas quis dar asas a outro dom, a música.

Pegou num velho bandolim, que havia lá em casa, e aí vai ele à procura das melodias tradicionais que ouvia na sua juventude.

Nunca aprendeu a tocar por pauta. Toca de ouvido e, muito bem.

Com outros músicos autodidactas fez parte da extinta Tuna de Carvalhais.

Hoje, com o bandolim ou o banjo, actua em vários ranchos do concelho de S. Pedro do Sul. Passou a ser imprescindível nas suas tocatas.

acordeao.jpg,

 

A certa altura, Alberto Casanova quis modernizar a carpintaria. Precisava de vinte e cinco contos para comprar uma máquina. Sugeriu que o pai lhos emprestasse mas não foi bem sucedido.

Então, o irmão arranjou-lhe um contrato de trabalho e emigrou para França.

Aí, para além do trabalho, começou a tocar acordeão e fez parte de alguns grupos que recordavam o nosso folclórico naquele país.

Hoje, Alberto Casanova continua a tocar o banjo, o acordeão e o bandolim. Para nós este é o instrumento preferido. É mais da nossa tradição, fazia parte das antigas tunas e é muito mais agradável ao ouvido.

Toda a música do próximo Som da Gente é do Alberto Casanova e foi gravada ao vivo.

Fotos: Alcides Riquito

publicado por somdagente às 19:23
Março 2016
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
21
22
23
24
25
26
27
28
29
30
31
Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Acabo de ouvir e visualizar a 2ª parte da vossa re...
Acredito e aceito. Isto foi o que se conseguiu ap...
Esse sr.Antonio Silva meu vizinho e compradre e am...
Apraz-me dizer, que Deus lhes dê força para conti...
Fico com água na boca.Quero VER!Abraço
Amigo e Senhor Fernando Luís,Parabéns pelo excelen...
Olá boa noiteO meu nome é Dina Cruz e sou técnica ...
Quando escreveram (e cito): "Em 1959, aqui nasceu ...
Intereessante!... Um espaço a ter em conta!
Conheci o Prof. Zé Fernando há 30 anos. Já nessa é...
blogs SAPO