10 de Outubro de 2014

Fiois_emblema.jpg

O contrabandista carregando o seu macuto, a mochila, e o emigrante de, mala aviada, saindo pela linha da Beira Alta, em direcção a França, são hoje as marcas dos últimos tempos desta freguesia da raia que é Foios.

Esta freguesia do concelho do Sabugal, com 25 quilómetros quadrados de superfície e 362 habitantes, tem a origem do seu nome nas armadilhar feitas para apanhar lobos, segundo a Wikipédia.

Na visão do nosso entrevistado, José Manuel Campos, que aqui foi professor e presidente de junta durante cerca de 30 anos, a origem do nome tem a ver com o fabrico do carvão que se fazia por estas bandas. Foios seriam as covas onde se queimava o carvão. Nos dois casos, parece ser consensual que a palavra foios deriva de fojos, em que o j deu lugar ao i.

Foios_c_civico.jpg

 

Foios é uma aldeia recente. Contará cerca de três séculos.

Rapidamente passou de um subdesenvolvimento para um progresso em que um lar de idosos e um moderno centro cívico, com um bem equipado auditório e posto médico, se destacam. 

Este edifício adoptou o nome de Centro Cívico Nascente do Côa e, a este propósito, uma das salas é dedicada ao Museu de Arte e Arqueologia do Vale do Côa que foi construído em Vila Nova de Foz Côa.

O visitante pode também aqui encontrar algumas peças ligadas aos trabalhos agrícolas e ao fabrico artesanal de queijo de cabra.

foios_capeia.jpg

 

O largo onde se encontra o centro cívico de Foios é o local que, em Agosto, se transforma num campo de tourada onde se faz a capeia, um espectáculo taurino típico nestas aldeia raianas.

Numa pedra, trabalhada em baixo relevo, que se pode ver no local, ali está o touro e o célebre forcão feito, em paus de carvalho, que os rapazes  da terra vão buscar a Naves Frias por obsequio do amigo alcaide.

Com este gigantesco artefacto, o grupo de rapazes, enfrenta as investidas do touro para alegria das muitas centenas de pessoas que em Agosto trazem outra vida e outro movimento à aldeia.

Foios está geminada com a povoação de Eljas que fica do outro lado da fronteira. Durante o ano, são muitos os momentos de convívio entre as gentes raianas de Portugal e Espanha. No próximo dia 8, realiza-se no largo principal de Foios, um grande magusto com os de Foios a dar as castanhas e os de Eljas a trazer o vinho.

Na véspera, umas jornadas micológicas distinguem os cogumelos silvestres que nesta época se vão também encontrando por aqui.

Depois de nos falar da sua terra e dos tempos difíceis no passado recente da sua gente, o amigo José Manuel Campos vai continuar com o auditório da Rádio Lafões para, na próxima semana, nos falar de contrabando, de contrabandistas e da emigração a salto.

Fotos: Alcides Riquito

 

 

publicado por somdagente às 11:34
Outubro 2014
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
11
12
13
14
15
17
18
19
20
21
22
23
24
26
27
28
29
30
31
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Acabo de ouvir e visualizar a 2ª parte da vossa re...
Acredito e aceito. Isto foi o que se conseguiu ap...
Esse sr.Antonio Silva meu vizinho e compradre e am...
Apraz-me dizer, que Deus lhes dê força para conti...
Fico com água na boca.Quero VER!Abraço
Amigo e Senhor Fernando Luís,Parabéns pelo excelen...
Olá boa noiteO meu nome é Dina Cruz e sou técnica ...
Quando escreveram (e cito): "Em 1959, aqui nasceu ...
Intereessante!... Um espaço a ter em conta!
Conheci o Prof. Zé Fernando há 30 anos. Já nessa é...
blogs SAPO