27 de Setembro de 2012

 

O próximo programa de O Som da Gente foi gravado em Moldes, freguesia contígua, a nascente, da  vila de Arouca, onde este fim de semana decorre mais uma Feira da Colheitas.

 

Esta freguesia que pertence ao distrito de Aveiro e à diocese do Porto tem como orago Sto Estêvão.

A paróquia de Moldes tornou-se independente da de S. Bartolomeu de Arouca em 1844. A população de Moldes teve que esperar pela época liberal para então se libertar da dependência do mosteiro de Arouca. As freiras deste cenóbio sempre se opuseram a esta independência talvez porque as terras férteis do vale de Moldes pagavam boas rendas ao mosteiro da vila.

Moldes pertenceu, no início, à diocese de Lamego e agora faz parte da diocese do Porto.

 

Apesar da paróquia de Moldes contar com menos de duzentos anos, a origem dos seus povoados remonta ao tempo em que os muçulmanos dominavam estas paragens.  À época da reconquista cristã que partiu das Astúrias.

Segundo Almeida Fernandes e Simões Júnior, o termo Moldes  está ligada à palavra latina molinos que significa moinhos. Existem documentos que comprovam que no rio de Moldes havia quarenta levadas e e trinta e oito moinhos.

Ainda hoje se nota por aqui uma abundância de água que faz com que estas encostas se encontrem cobertas de um verde escuro durante todo o ano.

Foi essa vegetação luxuriante que encontrámos a caminho de Fuste para visitarmos a capela de santa Catarina, a romaria com mais tradição na freguesia.

 

A nossa visita à freguesia de Moldes foi orientada pela Dra. Ana Cristina Martins, elemento da Junta de Freguesia e directora do Conjunto Etnográfico de Moldes de danças e Corais Arouquenses.

A sua origem, em 1945, está ligada à Feira das Colheitas, evento que decorre este fim-de-semana na vila de Arouca.

Foi um dos grupos fundadores da Federação do Folclore Português e organiza anualmente, em Agosto, na vila, o Festival Internacional de Folclore. Este ano foi o trigésimo.

Para além das danças e cantares, o Conjunto Etnográfico de Moldes , neste trabalho de recolha e preservação da nossa cultura, editou as revistas Rurália e Cultura Popular com interessantes trabalhos publicados de índole etnográfico.

O grupo preserva ainda os tradicionais corais polifónicos com as suas cantas (duas vozes) e cramois (três vozes). São Cânticos antiquíssimos que foram guardados, sobretudo, entre as mulheres.

Fotos: Alcides Riquito

 

publicado por somdagente às 12:13
Setembro 2012
Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab
1
2
3
4
5
6
7
8
9
10
11
12
13
14
15
16
17
18
19
20
22
23
24
25
26
28
29
30
Posts mais comentados
mais sobre mim
pesquisar neste blog
 
comentários recentes
Acabo de ouvir e visualizar a 2ª parte da vossa re...
Acredito e aceito. Isto foi o que se conseguiu ap...
Esse sr.Antonio Silva meu vizinho e compradre e am...
Apraz-me dizer, que Deus lhes dê força para conti...
Fico com água na boca.Quero VER!Abraço
Amigo e Senhor Fernando Luís,Parabéns pelo excelen...
Olá boa noiteO meu nome é Dina Cruz e sou técnica ...
Quando escreveram (e cito): "Em 1959, aqui nasceu ...
Intereessante!... Um espaço a ter em conta!
Conheci o Prof. Zé Fernando há 30 anos. Já nessa é...
blogs SAPO